“CODA”: UMA HISTÓRIA EMOCIONANTE E SINCERA SOBRE ENCONTRAR NOSSO LUGAR NO MUNDO

Por Ana Laura Dias

Filmdrama "CODA": Veröffentlichung im August — Taubenschlag

Descrição da imagem: Uma família está sentada na carroceria de uma caminhonete azul, iluminados pela luz do sol. Ao fundo há um barco. Ruby se encontra à esquerda, tem cabelos castanhos, pele clara e veste uma camisa xadrez azul e preta. Ela olha para a frente  e  apoia a cabeça no ombro de seu pai, Frank. Ele tem uma barba longa com alguns fios grisalhos, pele clara, usa um boné preto e um casaco de mesma cor sobre uma camisa azul. Frank apoia a mão sobre o joelho da filha e sorri olhando para a esposa, Jackie, à sua direita. Jackie tem longos cabelos loiros, pele clara e veste um casaco marrom sobre uma blusa azul. Ela também sorri para o marido, com as mãos apoiadas no próprio colo. À sua direita se encontra Leo, que olha para a esquerda. Ele tem cabelos castanhos, pele clara e uma barba rala. Leo veste uma jaqueta jeans com revestimento felpudo sobre uma camiseta xadrez azul, vermelha e  branca.

No dia 23 de setembro irá estrear nos  cinemas do Brasil o filme CODA (traduzido para o português como “No Ritmo do Coração”). Aclamado pela crítica estadunidense, o drama familiar foi o grande vencedor do Festival Sundance 2021, ganhando todos os prêmios aos quais estava elegível.

CODA é uma adaptação da comédia dramática francesa A Família Bélier, lançada em 2014. A trama estadunidense acompanha a família Rossi, moradores de uma cidadezinha costeira no estado de Massachusetts, Estados Unidos. A caçula da família, Ruby (Emilia Jones), é uma jovem CODA (child of deaf parents, ou filha de pais surdos) de 17 anos. Por ser a única pessoa da casa capaz de ouvir, Ruby frequentemente ajuda o seu irmão mais velho Leo (Daniel Durant) e seu pai Frank (Troy Kotsur) nos afazeres do barco de pesca da família, além de atuar como uma intérprete em situações comunicativas entre seus familiares, incluindo sua mãe Jackie (Marlee Matlin), e as outras pessoas.

Ainda que em constante pressão para atender às necessidades de seus pais e dos negócios da família, Ruby decide entrar para o coral da escola, a fim de explorar uma de suas grandes paixões: a música. Reconhecida como uma aluna com grande potencial pelo professor Bernardo Villalobos (Eugenio Derbez), Ruby precisa decidir entre investir em seus sonhos e partir para uma faculdade de prestígio de música ou continuar com seus pais, que encontram dificuldades em participar dessa parte da vida da filha.

O filme explora a narrativa por meio da perspectiva de todos os membros da família Rossi, expondo as dificuldades enfrentadas por eles ao tentarem se adaptar a um mundo que acreditam não se encaixar. Com uma trama divertida e emocionante, CODA se diferencia de outros filmes do gênero ao entregar personagens reais e atuações incríveis, capazes de transmitir ao telespectador relações familiares críveis de maneira natural. Além disso, CODA é uma produção que não só fala sobre acessibilidade e grupos minoritários, como também é inclusiva. Todos os personagens surdos foram interpretados por atores surdos, infundindo na adaptação um tipo de autenticidade difícil de ser encontrado.

 Por fim, é importante ressaltar outro aspecto inclusivo atrelado ao filme CODA. Essa é a primeira produção em língua inglesa a ser exibida nos cinemas dos Estados Unidos com legenda embutida na própria projeção, permitindo que pessoas com deficiências auditivas acompanhem o filme normalmente. No país, a cultura das legendas no cinema é praticamente inexistente e para que pessoas surdas possam assistir a um filme americano é necessário a utilização de óculos especiais que sobrepõem o texto na tela por meio de uma outra projeção, oculta a olho nu. Esse recurso, no entanto, não é sempre acessível, já que as máquinas responsáveis por esse tipo de projeção frequentemente estão quebradas. Logo, CODA apresenta uma alternativa promissora em prol da acessibilidade e inclusão.

E você, leitor, marque na agenda a data de estreia de CODA e confira com seus próprios olhos essa história emocionante! Mas não se esqueça de que ainda estamos em uma pandemia e devemos tomar cuidado a fim de nos proteger e aqueles à nossa volta!

“O SOM DO SILÊNCIO”: UMA EXPERIÊNCIA AUDITIVA, MAS, E A COMUNIDADE SURDA? Por Letícia Santos


Descrição da imagem: Imagem com fundo preto, ao centro um homem musculoso e magro tocando uma bateria. Ele tem cabelo descolorido e barba preta, está sem camisa e tem várias tatuagens em seu peito.

Sensorial, instigante, diferente. Essas foram algumas das muitas características atribuídas pela crítica ao filme “O Som do Silêncio” (Sound of Metal). Por meio de uma impecável edição de efeitos sonoros e visuais que lhe renderam dois Oscars – Melhor Som e Melhor Edição -, o longa conta a história do baterista Ruben (Riz Ahmed) que perde maior parte da audição devido a longos períodos exposto a sons extremamente altos e intensos. O protagonista é um ex-viciado que encontrou na música a sua salvação e está prestes a iniciar uma turnê com a banda de punk/metal formada por ele e sua namorada Lou (Olivia Cooke). Tudo isso torna ainda mais difícil para o músico se adaptar à sua nova realidade.

A edição permite que ouvintes tenham a mesma experiência do personagem principal. Você vai ouvir sons abafados, a vibração do alumínio, o som metálico do implante coclear e até o mais absoluto silêncio. Isso nos permite até sentir o desespero do protagonista que se depara com novos obstáculos para se comunicar. Mas, como foi a experiência de espectadores surdos?

Olívia, 30, que é professora de Libras (Língua de Sinais Brasileira), acredita que houve uma falha na legenda. “Não recomendaria o filme por causa da parte que não tem legenda e tanto ouvinte como surdo não entenderiam”, explica. Mesmo assim, ela considera que a produção foi empática pela cultura surda. “O filme mostra as diferentes identidades surdas existentes. A partir do momento que Ruben conhece a escola para surdos, ele percebe que existe uma comunidade capaz de se desenvolver de forma natural, utilizando sua própria língua.”

Para Patrícia Valíni, 29, dona de casa, e seu esposo Mateus Valíni, 29, auxiliar de produção, a falta de legendas para a Língua de Sinais Americana incomodou muito. “A Língua de Sinais é diferente em cada idioma, mas quando os surdos conversavam não aparecia legenda. Nós não entendemos nada”, comentam. Embora tenha esse problema, o casal gostou bastante da trama. Patrícia perdeu a audição quando tinha 2 anos por conta da meningite, ela acredita que a reação do protagonista foi representativa. “Ele ainda não tem a identidade de surdo. Quando você está acostumado a escutar sons e barulhos, demora um pouco para se acostumar com o silêncio”, afirma. Ela também considera um ponto positivo o ator ser ouvinte. “Acho importante os ouvintes entenderem como é ser surdo.”

Naiara Moura, 29, compartilha da mesma opinião. Para ela, as mídias precisam mostrar aos ouvintes a experiência da pessoa surda para que haja mais empatia e a escolha de ator ouvinte mostra que ele precisou fazer esse exercício para incorporar o personagem. “As pessoas têm a impressão de que ser surdo é fácil, mas não é. Por isso acho que a escolha foi boa, pois ele precisou sentir na pele como é ser surdo.”

E você, leitor? Já assistiu ao filme “O Som do Silêncio”? Conta pra gente como foi a sua experiência. Entender os desafios da comunicação irá nos ajudar ainda mais a criar soluções para mídias mais acessíveis.