“CODA”: UMA HISTÓRIA EMOCIONANTE E SINCERA SOBRE ENCONTRAR NOSSO LUGAR NO MUNDO

Por Ana Laura Dias

Filmdrama "CODA": Veröffentlichung im August — Taubenschlag

Descrição da imagem: Uma família está sentada na carroceria de uma caminhonete azul, iluminados pela luz do sol. Ao fundo há um barco. Ruby se encontra à esquerda, tem cabelos castanhos, pele clara e veste uma camisa xadrez azul e preta. Ela olha para a frente  e  apoia a cabeça no ombro de seu pai, Frank. Ele tem uma barba longa com alguns fios grisalhos, pele clara, usa um boné preto e um casaco de mesma cor sobre uma camisa azul. Frank apoia a mão sobre o joelho da filha e sorri olhando para a esposa, Jackie, à sua direita. Jackie tem longos cabelos loiros, pele clara e veste um casaco marrom sobre uma blusa azul. Ela também sorri para o marido, com as mãos apoiadas no próprio colo. À sua direita se encontra Leo, que olha para a esquerda. Ele tem cabelos castanhos, pele clara e uma barba rala. Leo veste uma jaqueta jeans com revestimento felpudo sobre uma camiseta xadrez azul, vermelha e  branca.

No dia 23 de setembro irá estrear nos  cinemas do Brasil o filme CODA (traduzido para o português como “No Ritmo do Coração”). Aclamado pela crítica estadunidense, o drama familiar foi o grande vencedor do Festival Sundance 2021, ganhando todos os prêmios aos quais estava elegível.

CODA é uma adaptação da comédia dramática francesa A Família Bélier, lançada em 2014. A trama estadunidense acompanha a família Rossi, moradores de uma cidadezinha costeira no estado de Massachusetts, Estados Unidos. A caçula da família, Ruby (Emilia Jones), é uma jovem CODA (child of deaf parents, ou filha de pais surdos) de 17 anos. Por ser a única pessoa da casa capaz de ouvir, Ruby frequentemente ajuda o seu irmão mais velho Leo (Daniel Durant) e seu pai Frank (Troy Kotsur) nos afazeres do barco de pesca da família, além de atuar como uma intérprete em situações comunicativas entre seus familiares, incluindo sua mãe Jackie (Marlee Matlin), e as outras pessoas.

Ainda que em constante pressão para atender às necessidades de seus pais e dos negócios da família, Ruby decide entrar para o coral da escola, a fim de explorar uma de suas grandes paixões: a música. Reconhecida como uma aluna com grande potencial pelo professor Bernardo Villalobos (Eugenio Derbez), Ruby precisa decidir entre investir em seus sonhos e partir para uma faculdade de prestígio de música ou continuar com seus pais, que encontram dificuldades em participar dessa parte da vida da filha.

O filme explora a narrativa por meio da perspectiva de todos os membros da família Rossi, expondo as dificuldades enfrentadas por eles ao tentarem se adaptar a um mundo que acreditam não se encaixar. Com uma trama divertida e emocionante, CODA se diferencia de outros filmes do gênero ao entregar personagens reais e atuações incríveis, capazes de transmitir ao telespectador relações familiares críveis de maneira natural. Além disso, CODA é uma produção que não só fala sobre acessibilidade e grupos minoritários, como também é inclusiva. Todos os personagens surdos foram interpretados por atores surdos, infundindo na adaptação um tipo de autenticidade difícil de ser encontrado.

 Por fim, é importante ressaltar outro aspecto inclusivo atrelado ao filme CODA. Essa é a primeira produção em língua inglesa a ser exibida nos cinemas dos Estados Unidos com legenda embutida na própria projeção, permitindo que pessoas com deficiências auditivas acompanhem o filme normalmente. No país, a cultura das legendas no cinema é praticamente inexistente e para que pessoas surdas possam assistir a um filme americano é necessário a utilização de óculos especiais que sobrepõem o texto na tela por meio de uma outra projeção, oculta a olho nu. Esse recurso, no entanto, não é sempre acessível, já que as máquinas responsáveis por esse tipo de projeção frequentemente estão quebradas. Logo, CODA apresenta uma alternativa promissora em prol da acessibilidade e inclusão.

E você, leitor, marque na agenda a data de estreia de CODA e confira com seus próprios olhos essa história emocionante! Mas não se esqueça de que ainda estamos em uma pandemia e devemos tomar cuidado a fim de nos proteger e aqueles à nossa volta!

Festival Assim Vivemos On line

Descrição da imagem: convite de divulgação com fundo cor de vinho. À esquerda em letras amarelas e brancas: 10 a 14 de abril. Assim Vivemos Online – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência http://www.assimvivemos.com.br . À direita, foto de uma mulher negra em uma cadeira de rodas com um sorriso largo. Ela é calva e usa óculos. Está com o braço esquerdo ao longo do corpo e o direito apoiado no braço da cadeira. Usa vestido amarelo com estampa de flores cor de laranja e azuis e bijuterias douradas. Abaixo da foto, escrito em branco: Mona Rikumbi é atriz, dançarina, enfermeira e ativista. Na parte de baixo do convite: Produção: Cinema Falado. Apoio: Centro Cultural Banco do Brasil e Anaísa Raquel Produções. Patrocínio: Secretaria de Cultura e Economia Criativa , Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Pátria Amada Brasil – Governo Federal.

O Blog MATAV colabora com a divulgação do Festival Assim Vivemos on Line. Seguem as informações enviadas pelos organizadores do evento.

Histórias de vidas, de amores, dúvidas, aceitações e frustrações. Trajetórias que perguntam, que buscam pertencimento, soluções, espaços e trocas. O Festival Assim Vivemos Online apresenta um conjunto de filmes e debates transformadores. Uma experiência marcante que propõe a reflexão sobre a riqueza e a beleza da diversidade humana. Um lugar de propostas para a construção de uma sociedade mais diversa, compartilhada e interessante.

Nesta edição, que conta com recursos da Lei Aldir Blanc, serão exibidos filmes de diversos países, que marcaram as edições anteriores do Festival, além de dois filmes brasileiros inéditos. Um mosaico abrangente e rico de como as questões são abordadas em diferentes contextos e culturas. A programação ainda conta com debates e materiais didáticos divididos em quatro temas: Arte e Diversidade, Escola e Vida Independente, Vida Amorosa e Autonomia e Autismo e Neurodiversidade. Toda a programação conta com recursos de acessibilidade comunicacional, nesta edição que permitirá a ampliação do Assim Vivemos para pessoas de todos os lugares.

Realizado desde 2003, o Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência, é o mais importante festival de cinema sobre o tema e foi o primeiro a disponibilizar o recurso da audiodescrição para pessoas cegas e de baixa visão no Brasil. Acontece de forma presencial no Centro Cultural Banco do Brasil, trazendo o melhor da produção audiovisual mundial e nacional sobre o tema, com a primordial participação de pessoas com deficiências em debates e oficinas.

Toda a programação no link https://assimvivemos.com.br/2021/online/

Ruídos nas legendas do filme Roma, de Alfonso Cuarón

Legendas distribuídas pela Netflix na Espanha geram polêmica

O filme mexicano Roma, produzido pela Netflix, foi um dos destaques do Oscar, a premiação mais famosa do cinema internacional, logrando 10 indicações e sendo laureado nas categorias de Melhor Direção, Melhor Fotografia e Melhor Filme em Língua Estrangeira. O drama foi um sucesso entre o público e a crítica, mas também não deixou de suscitar algumas controvérsias.

Ao ser distribuído nos cinemas e na Netflix da Espanha, parte do público se sentiu ofendida por a Netflix usar uma legenda em “Espanhol da Espanha”. O próprio diretor de Roma, o mexicano Alfonso Cuarón, manifestou seu repúdio ao ocorrido: “É ignorante e ofensivo para os próprios espanhóis”, disse ao jornal El País. “Algo de que mais desfruto é a cor e a textura de outros sotaques. É como se Almodóvar (cineasta espanhol) precisasse ser legendado”. O escritor mexicano Jordi Soler também se pronunciou, por meio do Twitter: “Roma está legendado em espanhol peninsular, que é paternalista, ofensivo e profundamente provinciano.”

Na legenda veiculada na Espanha, foram feitas várias traduções desnecessárias, como “ustedes” por “vosotros”, “mamá” por “madre”, “enojarse” por “enfadarse”, “checar” por “mirar” e “suave” por “tranquila”. Houve até traduções equivocadas culturalmente, como trocar uma marca mexicana de guloseimas (Gansito) por um aperitivo espanhol feito a base de milho (Ganchito). A polêmica se deu porque a tradução foi realmente paternalista, parecendo uma tentativa de colonizar o filme mexicano. Com a polêmica, a Netflix logo recuou na decisão, e atualmente as legendas de Roma em todos os países hispanofônicos são iguais – transcrições precisas das falas das personagens.

Mas o deslize foi até certo ponto bem-intencionado: a Netflix tem buscado cada vez mais trazer para seus filmes e séries opções de acessibilidade, como a legenda descritiva e a audiodescrição. O que não justifica o fato de tentarem deixar a linguagem utilizada na legenda “o mais próxima possível do uso na Espanha”, pois dessa forma, impede que o público espanhol tenha acesso a expressões e vocabulário específico da cultura mexicana. O Matav resolveu investigar a confusão, a fim de desvendar os limites da legendagem.

#ParaCegoVer: Na fotografia, em preto e branco, vê-se uma cena do filme Roma. Ao fundo uma praia, com ondas agressivas avançando até a orla. Na areia, a empregada Cleo está no centro, abraçada pela família mexicana: as crianças Pepe, Sofi, Toño, e Paco e a patroa Sofia. As crianças usam trajes de banho e têm os joelhos sujos de areia. A união dos atores assume o formato de um triângulo.

Roma não é um filme sobre a capital da Itália, mas sobre um bairro da Ciudad de México, chamado “Colonia Roma”. Passado entre 1970 (ano em que o México sediou a Copa do Mundo e o Brasil conquistou seu tricampeonato) e 1971, o filme acompanha a vida de uma família de classe média alta, composta por Antonio, o marido; Sofia, a esposa; as crianças Pepe, Sofi, Toño e Paco; as empregadas Adela e Cleo e o cachorro Borras.

Embora Cuarón tenha se inspirado em sua própria infância para produzir Roma (ele é representado por Paco), o diretor abdica do protagonismo do filme para dá-lo a Cleo, uma jovem empregada de origem indígena. O patriarca Antonio abandona a família e a família começa a desmoronar. O país também vive uma situação de tensão política, que às vezes assume uma faceta de violência escatológica. Fora do seio da família, Cleo tem seu próprio universo de desejos e frustrações para lidar. Mas ela se mantém forte e, de maneira silenciosa e gentil, está sempre presente para proteger a bolha de segurança em que viviam as crianças.

Para outros públicos que assistem Roma, como o espectador brasileiro, as legendas distribuídas pela Netflix permanecem com estranhamento linguístico. A maioria dos personagens fala em espanhol, que é legendado em letras brancas. As empregadas, Adela e Cleo, conversam entre si em mixteca, um dialeto indígena, que é legendado também em letras brancas, mas diferenciado pelo uso de colchetes. A escolha da mesma cor de legenda para as duas línguas não é um grande desafio, mas há ainda outros quatro idiomas falados no filme e nenhum deles foi legendado pela Netflix. Este tipo de filme com multilinguismo tem sido cada vez mais recorrente na indústria cinematográfica mundial. Bastardos Inglórios, dirigido por Quentin Tarantino, é um exemplo clássico de filme multilíngue contemporâneo.

Voltando a Roma, percebemos que quando Cleo está em um ônibus, os dois homens sentados à sua frente conversam em um outro dialeto indígena. Também aparecem alguns americanos no filme, que falam em inglês. Os lutadores de artes marciais, embora conversem em espanhol, repetem frases-feitas em japonês. E há até um homem que canta em nynorsk, uma das variantes da língua norueguesa. Nenhum desses trechos é traduzido, possivelmente uma escolha do diretor para que o público permaneça com o sentimento de estrangeirização pretendido no roteiro original.

#ParaCegoVer: Na foto, em preto e branco, vê-se uma cena do filme Roma. Há um homem louro, de cabelos curtos e bigode, em primeiro plano, fantasiado de um monstro peludo. Ele segura a máscara da fantasia embaixo do braço, e canta uma canção, com os olhos perdidos na escuridão da noite. Ele está em uma floresta, e no fundo há vários focos de incêndio com luminosidade intensa. Há alguns homens olhando o fogo e outros tentando contê-lo.

Como já mencionado, a escolha de não legendar esses idiomas se deve a uma opção do diretor. Cuarón provavelmente queria que tivéssemos a mesma experiência que Cleo teve ao ser confrontada com idiomas estrangeiros (ela só é fluente em espanhol e mixteca).

Além disso, Roma é um filme quieto, que nos convida a contemplar os cenários, em vez de nos anestesiar pelo estupor da ação constante. A primeira cena do filme começa com o enquadramento de um chão de garagem sendo lavado – primeiro temos o chão, e então a tela é invadida por ondas de água ensaboada, que refletem um avião pairando no céu. São mais de três minutos com a audiência olhando para o chão, enquanto os créditos passam diante dos olhos. O que para os mais espevitados já seria o bastante para abandonar a sala do cinema (ou fechar a aba da Netflix). Mas a cena também serve para estabelecer o tom do filme, dar um tempo para desligarmos nossas mentes da vida frenética do século XXI e mergulharmos no universo da narrativa que está prestes a se desdobrar.

Quando as falas em idiomas estrangeiros não recebem legendas, nós adotamos com elas o mesmo tratamento contemplativo que despendemos ao chão. Deixamos de analisar as frases apenas em seu sentido literal, porque não as compreendemos, e nos imergimos na estética delas – atribuímos-lhes sentidos que vão além da semântica. Quando os lutadores de artes marciais contam “ite, ni, sã, chi…”, em vez de “um, dois, três, quatro…”, somos remetidos a todo um país, a toda uma história. É um sentimento diferente.

É por causa desse tom contemplativo que a legenda em “Espanhol da Espanha” incomodou tanto. A atitude da Netflix teria aviltado aquela que está sendo considerada a magnum opus do diretor Alfonso Cuarón. Seria uma afronta, não só às suas escolhas artísticas, como também à cultura mexicana. Seria uma tentativa de minguar a diversidade linguística. Porque as palavras utilizadas refletem essa cultura, elas têm um sentimento diferente das palavras que um diretor espanhol teria usado.  

O episódio me faz pensar em José Saramago, autor de livros como O homem duplicado e Ensaio sobre a cegueira. Em respeito ao escritor português, as editoras brasileiras até hoje publicam suas obras seguindo a grafia vigente em Portugal. Além das construções sintáticas diferentes, proliferam-se no texto Cs postos em lugares estranhos para os brasileiros: acção, atractivo, direcção, objectivo. E, além de o autor ter um vocabulário impressionante, ele também faz escolhas lexicais estranhas ao brasileiro: “rapariga” no lugar de “moça”, “oxalá” em vez de “tomara”, “auscultador” para a parte do telefone que levamos à orelha. Ainda assim, os livros são perfeitamente compreensíveis a um brasileiro. Só é preciso se acostumar com a forma particular com que Saramago usa a pontuação e a leitura flui como o vento por uma porta aberta. Se tentassem traduzir seus livros para o português do Brasil, eu como leitor me sentiria pessoalmente ofendido. Seria uma mutilação da cultura portuguesa e da genialidade do autor.

#ParaCegoVer: Na foto, em preto e branco, vê-se uma cena do filme Roma. A empregada Cleo, de feições indígenas, está no banco traseiro de um carro preto. Ela olha pela janela com um semblante sereno no rosto. A janela reflete as nuvens do céu. Há duas crianças dormindo abraçadas a ela, uma garota de cabelos pretos e um garoto louro. Cleo afaga a cabeça da garota com a mão.

Mas há uma diferença fundamental entre um livro e um filme, na forma como as duas mídias são consumidas: a velocidade.

No livro, você pode reler uma frase que não tenha entendido de primeira. Às vezes os olhos percorrem páginas inteiras, enquanto a cabeça está viajando em outro lugar – mas não tem problema, é só voltar a ler na frase onde a consciência tiver debandado. Dá para ler com um dicionário (ou um celular) do lado, e pesquisar prontamente o significado de qualquer palavra desconhecida. Pode-se até ler com uma caneta em mãos, grifando um trecho importante, ou fazendo anotações nas bordas das páginas.

Já quando assistimos a um filme, nossa experiência é outra. O filme tem outro ritmo e é muitas vezes assistido com outras pessoas, ou seja, pode ser cansativo e deselegante pausá-lo para abrir o dicionário sempre que surgir uma dúvida sobre uma palavra ou expressão. Também não temos tempo de reparar em cada detalhe que aparece na tela, em cada sutileza das falas dos personagens, e são raros aqueles que têm a paciência de sentar sozinhos em frente à tela e escarafunchar um filme, pausando e rebobinando várias e várias vezes atrás de easter eggs, de erros de gravação, ou simplesmente de entender com mais profundidade uma obra complexa.

Por essa razão, os filmes precisam ser mais claros que os livros. Eles precisam acertar de primeira, se quiserem ser acessíveis, e precisam ser adaptados a todos os públicos. Faz sentido que exista alguma legenda para um filme mexicano assistido na Espanha. Afinal, as diferenças de sotaque e de vocabulário podem prejudicar a plena compreensão. Só que o espanhol, no México, na Espanha ou qualquer lugar do mundo, é um só idioma – com as mesmas regras gramaticais e a mesma grafia das palavras.

O erro da Netflix foi querer traduzir uma língua para ela mesma e acabar no processo suprimindo manifestações linguísticas e culturais próprias de um povo. Essas manifestações são parte importante de qualquer obra artística e ajudam a encurtar a distância e o preconceito que temos com esses povos. Que a Netflix, e todas as empresas ligadas ao entretenimento, continuem arriscando medidas de acessibilidade – mas com muita parcimônia, para que a tradução não ofusque a obra que a princípio pretendia fazer brilhar. 

Venha conhecer o MATAV

MATAV

 

Algumas pessoas estão interessadas em saber sobre nosso MATAV.

Segue um pouquinho de nossa história.

O que é MATAV? Grupo de Pesquisa em Mídia Acessível e Tradução Audiovisual (Grupo cadastrado pelo CNPq)

Criado em 2013

Coordenado pela Profa. Dra. Lucinéa Marcelino Villela (Docente do Departamento de Ciências Humanas –FAAC- Unesp- Bauru)

Nossos objetivos:

– Estudar Tradução Audiovisual e recursos diversos de acessibilidade para pessoas com deficiências auditivas e visuais.

– Divulgar e debater projetos diversos que envolvam: acessibilidade artística e cultural, tecnologias e ferramentas que promovam a inclusão digital.

– Conscientizar a comunidade sobre produção audiovisual acessível.

– Organizar Simpósios, oficinas, cursos, feiras de inovação em acessibilidade, mostras de arte, design e cinema com recursos de acessibilidade.

– Treinar e capacitar todos (as) participantes  em legendagem e em técnicas para elaborar roteiros de audiodescrição

Quem pode participar?

TODA pessoa que tenha curiosidade, interesse e vontade de transformar um pouco o mundo e deixá-lo mais inclusivo e bacana para pessoas que possuem deficiências visuais e auditivas.

O Grupo MATAV é aberto para alunos de todos os cursos da Unesp, participantes externos do meio universitário ou curiosos em geral, ou seja, HÁ ESPAÇO PARA TODO MUNDO!

Atualmente estamos em busca de novos participantes.

Em 2018 estamos com propostas de projetos que deverão incluir alunos e profissionais de: Radialismo, Design, Relações Públicas, Tradução, Jornalismo, Pedagogia, Letras, Produção de audiovisual e Cinema, Tecnologia e Inovação.

Cinéfilos e viciados em séries, documentários e tecnologia em geral são super bem vindos também!

Quando e onde nos reunimos?

Quinzenalmente entre 17:30 e 19h no Departamento de Ciências Humanas (CHU) da Unesp/Bauru. Como o primeiro semestre de 2018 está começando, vamos consultar os interessados (as) para saber qual dia será melhor para a maioria. (Sigam no facebook nossa agenda de março https://www.facebook.com/Matav-1376405212602134/)

Projetos e Parcerias

Já fizemos muuuita coisa:

Sala Sense and Sensibility

 Webséries

 Fotodocumentário

Vídeos institucionais

Curta metragens

Feira de tecnologia em acessibilidade,

Simpósios, workshops e curso de extensão

Ebook: Acessibilidade audiovisual: produção inclusiva nos contextos acadêmicos, culturais e nas plataformas WEB

Parcerias:

 

ADAP

wpt

 

secretaria da cultura

 

OVNI Acessibilidade universal

 

GOSTOU? FAÇA PARTE DO MATAV EM 2018!

 

matav2013

Foto dos membros do MATAV em 2013. Evento Sense and Sensibility.

Documentário sobre Acessibilidade na Unesp conta com recurso de legendagem

AcessibiliUnespA estagiária em assessoria de imprensa da ADAP, Ana Raquel Périco Mangili, que também é estudante do último ano de Jornalismo na Unesp de Bauru/SP e colaboradora do Blog MATAV, produziu o documentário AcessibiliUnesp, um curta de 25 minutos de duração e com o recurso de legendagem para surdos e ensurdecidos.

O objetivo da produção foi apresentar um retrato das experiências de universitários com deficiência e a questão da acessibilidade em uma instituição pública de ensino superior, no caso, o campus de Bauru da Unesp. Esse produto audiovisual foi desenvolvido como atividade de uma disciplina do curso da aluna, e teve o apoio da Unesp, da ADAP e do grupo de estudos MATAV (cuja equipe produziu as legendas acessíveis e tradução de trechos legendados do espanhol para o português).

Quatro alunos com deficiência, inclusive a própria autora do documentário (Ana Raquel tem Distonia e deficiência auditiva), participaram das gravações com os seus relatos, além de professores, profissionais e demais alunos que desenvolvem projetos voltados para a acessibilidade dentro da universidade. Dessa forma, é fornecido nesse produto audiovisual um panorama a respeito de como caminha a aplicação de recursos acessíveis na educação pública superior brasileira.

Confira a seguir o documentário AcessibiliUnesp, hospedado no Youtube e com legendas para surdos e ensurdecidos: https://www.youtube.com/watch?v=rorgbPoyA9M

 

Por Ana Raquel Périco Mangili.