Bauru terá feira voltada à troca de informação sobre pessoas com deficiência

Em maio, SESI-Horto abrirá seu espaço para workshops, estandes e oficinas

REAB_ÍCONEPrancheta_14_cópia_2_2x.png
#ParaCegoVer: Na imagem, a logo da REAB. Temos um origami de tsuru desenhado e, embaixo, as letras R, E, A e B – respectivamente nas cores ciano, vermelho, laranja e roxo. 

A 1ª Feira de Reabilitação de Bauru (REAB) acontecerá no fim de semana dos dias 17, 18 e 19 de maio. Ela será no SESI-Horto, que fica no mesmo quarteirão do Horto Florestal: Rua Professora Zenita Alcântara Nogueira, 1-67.

O evento, que promete ser bienal, será um ponto de convergência para pesquisadores, profissionais e todo mundo que se interessa pelas pessoas com deficiência. Além de contribuir para a formação e atualização de gente envolvidas na área, o REAB contribuirá para o debate sobre acessibilidade e a conscientização sobre o assunto no interior paulista.

A cerimônia de abertura será no dia 17, das 19h30 às 22h. Nos dias 18 e 19, os portões estarão abertos para o público das 8h30 às 18h. A programação do evento está abastecida com dezenas de atividades como palestras, workshops e oficinas. Também haverá estandes de produtos e serviços espalhados pelo SESI ao longo de todo o evento.

É possível se inscrever pelo Sympla, site especializado em eventos. A entrada é franca, mas para retirar o ingresso é preciso doar ou um quilo de alimento não perecível ou um “kit higiene”, composto por uma escova e uma pasta de dentes.

Anúncios

Microsoft usa inteligência artificial para promover acessibilidade

Em comemoração ao Dia internacional das Pessoas com deficiência empresa divulga recursos de legendas para Skype e Powerpoint

 

No dia 3 de dezembro a Microsoft apresentou um novo recurso de legendas ao vivo para o Skype e PowerPoint em celebração ao Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, uma iniciativa ONU. O aplicativo Skype é conhecido como uma rede social de videochamadas online e agora contará com legendas em tempo real, uma ferramenta de inclusão para facilitar a comunicação de pessoas com deficiência auditiva.

Para ativar as legendas em uma chamada é só clicar no botão + que aparece na tela e selecionar “ativar legenda”. Mas, se você deseja habilitar a live legendas para todas as conversas no Skype, selecione sua imagem de perfil > Configurações > Chamadas > Legendas de chamadas > Mostrar as legendas de todas as chamadas de voz e vídeo.

Assim que habilitadas, as legendas irão rodar na chamada automaticamente, mas também ficarão registradas em outra guia para que possam ser acessadas facilmente e lidas posteriormente.  

Outro conhecido programa da Microsoft, o PowerPoint, ganhará em sua mais nova versão a função de closed caption (legendas automáticas) na produção de slides. Essa foi outra solução da empresa para que pessoas com deficiência auditiva possam utilizar seus programas com autonomia e praticidade. Mais uma vez com uso da inteligência artificial, de acordo com a empresa, o programa reconhecerá 10 línguas faladas e poderá transcrever e traduzir automaticamente para mais de 60 idiomas.

A nova ferramenta do Skype já está disponível para versão 8 tanto para computadores quanto para dispositivos móveis e faz parte de um projeto de inteligência artificial da Microsoft, que também está desenvolvendo programa de tradução simultânea, em fase de teste. Já para o PowerPoint Office 365, a previsão de uso do novo recurso é para o final de janeiro de 2019. A promessa da Microsoft é de um desenvolvimento tecnológico com atenção em acessibilidade,e pretende quebrar também as barreiras da língua na comunicação. Consequentemente, a empresa estará contribuindo para uma sociedade digital cada vez mais inclusiva. 

MATAV Visita o Instituto Laramara

A instituição é referência em projetos de inclusão e desenvolvimento de tecnologia para deficientes visuais

Em uma visita ao Instituto Laramara tivemos a oportunidade de conhecer um pouco da história do instituto e o seu trabalho social em habilitação e acessibilidade. Hoje o instituto existe como uma unidade de negócios, onde o lucro é revertido para a Laramara, que atende gratuitamente a comunidade no bairro Barra Funda, da cidade de São Paulo. A empresa foi formada pelo casal Mara e Victor Siaulys, que reuniu profissionais em busca de encontrar soluções para a educação de sua filha Lara. Fundando assim uma instituição que visa a inclusão da pessoa com deficiência, e tem como base três pilares principais: a família, a educação e o trabalho. A visita foi guiada pelo voluntário Antônio Carlos, que também é deficiente visual, ele explica: “O nome Laramara vêm da junção dos nomes da mãe e da filha, e é essa relação de amor e família que buscamos reproduzir aqui no Instituto. Eu espero que até o final da visita você fique tipo “agora sim”.

A instituição Laramara atende pessoas cegas ou de baixa visão e que tenham deficiências múltiplas além da visual, sem restrições de idades, apesar de seu maior público ser o infantil, representando 90% dos atendimentos. Ele se destaca com base na independência e inclusão dessas pessoas na sociedade. Com seu centro de desenvolvimento de tecnologias assistivas, o Laratec  e também laboratórios de informática em seu prédio. Além de contar com uma gama de profissionais que prezam pela autonomia social como circular pela cidade ou navegar na internet e estimulam os conhecimentos sensoriais e culturais com aulas de música e artes plásticas.

48314137_368249333947692_34511866109624320_n

#ParaCegoVer:  Na foto temos a visão de fora de uma sala de música do Instituto Laramara, visto por uma grande janela de vidro.  Ao lado da janela existe uma placa escrito “Música” com o logo do Instituto, o desenho de um olho na cor azul.  No interior da sala vários violões pendurados em uma parede, caixas de som, cadeiras e outros instrumentos musicais.

48246035_295154931135130_4348548052399685632_n

#ParaCegoVer: Na imagem temos duas fotos, uma em cima da outra, de diferentes ângulos de uma sala de artes plásticas do Instituto Laramara. Na primeira, cavaletes expõe pinturas e desenhos, enquanto na segunda, duas estantes expõe esculturas coloridas. 

“Tudo aqui na Laramara é baseado no brincar”, afirma Antônio, segundo ele, quanto mais estimulada é a criança, melhor é a sua visão com o passar do tempo. É  por isso que hoje, o número de pessoas atendidas com baixa visão é maior do que as que têm perda de visão total, pois estão recebendo estímulo desde cedo. 

48416579_2077068592592044_3971532885399175168_n

#ParaCegoVer: A imagem mostra um pátio coberto com brinquedos de plástico com escadas e escorregadores coloridos. 

A Laramara forma parcerias com escolas da cidade de São Paulo, oferecendo curso para a capacitação de professores e profissionais da educação, e até da família para que a criança atendida tenha total apoio em seu desenvolvimento e não seja privada da experiência de estudar em uma escola comum ou de ir à um passeio em um parque de diversões, por exemplo. É realizada também a fiscalização nas escolas de seus alunos para verificar se está sendo feita a inclusão das crianças nas aulas, e principalmente nas atividades recreativas. “Inclusão é em tudo, é na escola, na brincadeira, no passeio, no esporte, na igreja, na faculdade, trabalho, balada. Tem que ser em tudo, se não é, então não há inclusão”, explica o guia.

48387220_201109907505043_3953075894804807680_n

#PraCegoVer: Na imagem um técnico funcionário do Instituto Laramara mostra como funciona os ampliadores de tela, que permitem uma ampliação dos conteúdos do papel que podem ser vistos por uma tela, permitindo que pessoas com baixa visão possam ler um livro, por exemplo.

Se para as crianças o mais importante é brincar, para o adulto é a autonomia de ir e vir, por isso a Laramara têm um módulo específico em “Orientação em mobilidade”. O pilar do trabalho é impulsionado com cursos e orientações para o mercado e desenvolvimento profissional, com módulos de comunicação onde é possível aprender a língua inglesa, informática, projeto de vida, cidadania, apresentação pessoal, etc. Como disse Antônio, cada indivíduo é único e tem que ter a liberdade para desenvolver suas habilidades e gostos pessoais. A missão é trabalhar com as potencialidades, e não com as deficiências. O objetivo final é que a criança que descobriu o mundo através da brincadeira,  possa tornar-se um cidadão produtivo, social e feliz. 

 

MATAV visita a Fundação Dorina Nowill para cegos

A instituição oferece serviços de apoio à inclusão e promove a disseminação de cultura informação com acessibilidade

Propagar o acesso à cultura e informação para deficientes visuais foi a missão de Dorina Nowill, que deixou seu legado em sua Fundação que contribui até hoje como uma instituição de referência em acessibilidade no Brasil. Atualmente a fundação Dorina trabalha com cerca de 130 funcionários e 400 voluntários atuando na habilitação e reabilitação de deficientes visuais. A empresa está há mais de 70 anos na cidade de São Paulo prestando serviços gratuitos à comunidade com um projeto de inclusão, principalmente em três pilares: educação, trabalho, autonomia.

A educação está em seus princípios desde sua criação, pois sua fundadora, Dorina, foi uma estudante cega e na época havia poucos livros em Baille no Brasil. Mesmo sem livros apropriados ela se destacou em sua escola e ganhou uma bolsa de estudos nos Estados Unidos em 1946, onde teve contato com o que havia de mais avançado em reabilitação para pessoas com deficiência visual. Em sua volta para o Brasil, Dorina decidiu trazer essas mudanças para seu país, criando a  Fundação Para o Livro do Cego, com uma imprensa Braille em 1960. Uma das prioridades da fundação é a garantia do acesso à cultura e informação para a comunidade com deficiência visual, tudo começou com o projeto da Dorina de produzir livros em braille no Brasil e a produtora de livros cresceu e existe até hoje, fornecendo livros e materiais escolares em Braille para todo o Brasil gratuitamente.

48357326_128487138062847_1866654325133017088_n

#ParaCegoVer: Na imagem temos duas fotos, uma em cima da outra. A primeira mostra duas portas de vidro de duas salas com adesivos amarelos  onde se lê “Editora” e “Revisão”, respectivamente. Ao lado das salas, uma estante expõe alguns dos livros publicados pela Editora da Fundação Dorina Nowill, em Braille. Na segunda foto, temos o interior de uma sala com uma grande mesa retangular e nela várias impressoras.

Com o tempo e a modernização foram surgindo os áudio-livros, antes gravados em fitas, hoje estão disponíveis em CD’s em seu acervo e também em uma plataforma online, a Dorinateca, biblioteca digital da fundação, onde qualquer cego pode fazer o seu cadastro e ter acesso à audiolivros através do site. Em sua sede, localizada na Vila Clementino, além de salas de atendimento especializado, a fundação também conta com O Centro de Memória Dorina Nowill, uma imprensa gráfica de livros em Braille e um estúdio de locução onde produzem os audiolivros.  No mesmo local, todos os materiais produzidos são revisados por voluntários cegos que aprovam e garantem um conteúdo acessível de qualidade.

48053359_1529819933828574_4172698119772831744_n

#ParaCegoVer: Na imagem temos duas fotos, uma ao lado da outra.  A primeira Mostra a Biblioteca de Audiolivros da Fundação Dorina Nowill, vista por uma janela de vidro, com um adesivo onde se lê “Aqui tem livro acessível”. Temos também na mesma imagem uma funcionária segurando uma pasta de documentos e ao fundo, um funcionário organiza as estantes do acervo. Na segunda foto temos o estúdio onde são gravados os audiolivros, podemos ver uma cabine sonora, com microfone, computadores e uma caixa de som.

“Temos que lembrar que a inclusão não se faz por decreto. É um processo e como tal leva tempo. Implica em mudanças estruturais na cultura, na construção de uma nova postura pessoal e pedagógica, na vida de relação e na sociedade”. Dorina Nowill

Para agendar sua visita à Fundação é só entrar em contato pelo telefone: (11) 5087-0955

ou mande um e-mail para: centrodememoria@fundacaodorina.org.br

TV Ines: Uma webTv brasileira acessível

Ela está entre as 5 redes de TV do mundo que produzem todo seu conteúdo com recursos de tradução audiovisual

A emissora é uma parceria entre a Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) e a TV Escola/Roquette Pinto Comunicação Educativa (ACERP). Juntas, estas empresas trazem um canal com propostas em cultura e educação para a comunidade surda, com programas voltados a libras como além do compromisso com a produção de uma comunicação acessível nos boletins jornalísticos e reportagens. Um exemplo é o “Boletim Primeira Mão”, um dos programas mais aclamados do canal. Em 2018, a TV Ines completou quatro anos de atividade e propôs recentemente o primeiro programa de telejornalismo esportivo, principalmente sobre futebol, totalmente acessível, nomeado “Mão na Bola”.

TV Inesp se apresenta como uma webTv que tem em seu cerne o compromisso com a acessibilidade e a informação, seus programas jornalísticos são referência para a comunidade surda. O programa “Visual”, é o primeiro telejornal diário que traz as principais notícias do universo surdo, do Brasil e do mundo traduzido para a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Além disso, a emissora também produz conteúdos com outras formas de tradução audiovisual acessível, como legendas e a Audiodescrição para cegos. Pioneira no brasil em produzir conteúdos totalmente acessíveis para a comunidade surda, com o slogan “TV INES: Acessível Sempre”, o INES e o ACERP viabilizam a primeira webTV em Língua Brasileira de Sinais (Libras), com legendas e locução. Existem apenas 5 emissoras no mundo que produzem esse tipo de conteúdo, e a TV Ines é uma delas. Com as discussões sobre acessibilidade na web em voga no mundo, se faz importante valorizar a presença de uma iniciativa brasileira em um cenário de inclusão em comunicação digital.

Além de programas jornalísticos, a TV Ines possui uma grande variedade de conteúdos de entretenimento, educação, filmes e documentários e infantis. Os conteúdos da TV Ines podem ser acessados pela internet no site ou na plataforma de vídeos do Youtube

A Roquette Pinto também desenvolveu aplicativos da webTv que podem ser baixados gratuitamente para aparelhos com sistema Android, iOS e Windows Phone.  O objetivo é facilitar ainda mais acesso a informação com o uso de smarthphones e ganhar uma maior interação com o público, que pode enviar sugestões e conteúdos para a emissora. O aplicativo está disponível também para SmartTv.

Blog “Crônicas da Surdez” ganha reconhecimento por iniciativa de inclusão

Brasileira recebe financiamento e prêmio por programa de Liderança em Comunidade da empresa Facebook

Capturar

#PraCegoVer: A imagem é uma ilustração do rosto de uma menina de cabelos curtos e olhos fechados. Dos seus ouvidos saem ondas coloridas com desenhos de flores, animais, notas musicais e instrumentos musicais.

O projeto Crônicas da Surdez é da escritora gaucha Paula Pfeifer, sua ideia criou um canal de comunicação para a comunidade surda que utiliza ou que deseja utilizar da tecnologia para voltar a ouvir. Tudo começou com uma página de blog onde a autora escrevia sua trajetória como pessoa surda no formato de um desabafo mesmo. Porém, a interação com os leitores cresceu tanto que o blog se tornou uma comunidade virtual, uma rede de humanização e troca de experiências, mensagens de apoio e esperança.  Para expandir ainda mais a interação dos seus leitores, Paula criou também uma comunidade no Facebook e o grupo possui cerca de 10.000 membros ativos e apenas surdos podem participar.

Foi a partir daí que a comunidade de leitores do blog “Crônicas de uma Surdez” ganhou visibilidade nas redes sociais, e foi premiado pelo Community Leadership Program do Facebook. O Programa de Liderança na Comunidade premia iniciativas que utilizam das redes sociais para criar uma comunidade em prol de uma ideia ou objetivo. O projeto da escritora recebeu US$ 1 milhão pela ação inovadora para a comunidade surda no facebook como incentivo para continuar o bom trabalho e aumentar ainda mais a conexão em sua comunidade.

Em seu blog, com uma linguagem simples e descontraída, Paula nos convida a conhecer um pouco do seu universo, seus desafios e vitórias do dia a dia. Com cerca de 110 mil visualizações todo mês, a militante escreve sobre acessibilidade e sobre a vida de uma pessoa surda e incentiva os seus leitores a compartilharem suas histórias com as postagens de “Histórias dos Leitores”. Conheça mais sobre o blog clicando aqui. 

O blog Crônicas de uma Surdez ganhou também um canal no Youtube, com o intuito de disponibilizar informação sobre os desafios da comunidade surda.  O suceso nas redes foi tão grande, que a empresária publicou dois livros de mesmo título onde ela se aprofunda em sua trajetória pessoal e inspira seus seguidores e leitores pelo brasil e pelo mundo. O reconhecimento de um projeto que envolve comunicação e acessibilidade é de suma importância para uma sociedade inclusiva no mundo digitais.

 

Samsung aposta em acessibilidade com tecnologia no Brasil

A marca foi premiada por suas ações e recebeu o Selo de Acessibilidade Digital pelo seu site

A Samsung Brasil conquistou recentemente dois ouros na etapa nacional do AMPRO (Associação de Marketing Promocional) Globes Awards 2018, por uma intervenção cultural, a “Cabine Surda”.

O “AMPRO Globes Awards” é a etapa nacional do maior prêmio de Live Marketing do mundo, realizado pela MAAW – Marketing Agencies Association Worldwide e ação foi vencedora nas categorias Melhor Ativação De Marca e Melhor Projeto de Responsabilidade Social, Ambiental e Educacional.

Em abril deste ano, a Samsung realizou uma intervenção cultural na Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, uma cabine interativa especial com o slogan Samsung Social “Iniciativa para o mundo desafiar barreiras”. A instalação tinha o objetivo de promover projeto “Teatro para Todos os Ouvidos” e proporcionar ao público geral a experiência de empatia ao assistir uma peça como um surdo ou pessoa com deficiência auditiva de maneira acessível.

Confira mais da iniciativa de live marketing realizada pela Samsung:

https://www.youtube.com/watch?v=RbFJ7rqlTSc&t=4s

Realizando a ação de marketing de maneira criativa e explorando a temática inclusiva, a Samsung apresentou para o público o seu novo produto, o seu novo óculos de realidade virtual. A intervenção disponibilizou os óculos de realidade virtual Samsung Gear VR, para o público em geral ter uma experiência de empatia, assim como o projeto “Teatro para Todos os Ouvidos” disponibilizou o produto para surdos ou pessoas com deficiência auditiva conseguirem assistir as peças de teatro sem a necessidade de um intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais).

br-gear-vr-sm-r325nzvazto-setblack-75797465

#PraCegoVer Na imagem está o modelo de óculos virtual. Ele é feito como uma venda para os olhos mas com a parte da frente sendo um vistor tecnológico preto e possui inscritos o nome do modelo e da marca “Samsung” e “Gear VR”. Foto: Samsung

Por meio de uma tecnologia inovadora da marca o Gear VR possui um microfone capta a fala dos atores e a transforma em legendas em tempo real. De acordo com a empresa, a ação impactou cerca de 50 mil pessoas durante os três dias na Avenida Paulista, e foram realizadas 250 sessões dentro da cabine.

Capturar

A foto mostra a cabine na avenida paulista. Ela tem paredes e portas azuis, podem ser lidos os inscritos “Teatro Para Todos os Ouvidos” e “Samsung Social” em branco. Na frente, um segurança conversa com uma senhora. Em volta da cabine diversas pessoas transitam pela rua. 

A Samsung Brasil conseguiu unir novamente cultura e acessibilidade ao desenvolver o aplicativo “Samsung Áudio Acordes”, lançado em agosto deste ano. O aplicativo é gratuito e tem como objetivo ensinar pessoas cegas ou com deficiência visual a tocarem violão. As aulas são em áudio e começam pelo nível básico ao avançado. A tecnologia promete o aprendizado do instrumento baseada em um sistema de voz que dita os acordes das músicas no momento exato em que eles devem ser tocados tornando o aprendizado mais prático e intuitivo.

Confira o vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=-lf-uOmb6bw&feature=youtu.be

A marca também explora os aspectos da acessibilidade por meio das suas plataformas digitais. Apesar da acessibilidade digital estar prevista na Lei Brasileira de Inclusão (13.146/2015), são poucas as plataformas que possuem os requisitos necessários. O site da Samsung possui o Selo de Acessibilidade Digital, concedido pela Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED). Apenas sete websites de instituições públicas e privadas foram certificados pelo novo selo, criado em maio deste ano.

O critério para emissão do selo é bastante rigoroso e segue as diretrizes do World Wide Web Consortium (W3C) Brasil. Para isso, a Samsung implementou em seu site diversos recursos, entre eles a ferramenta “Hand Talk” de tradução para libras, e adaptações para que os leitores de tela possam ler todo o conteúdo do site para pessoas cegas e o alto contraste, fontes maiores para pessoas com baixa visão.

Já nas redes sociais, a empresa utiliza das legendas descritivas de todas as imagens publicadas nas páginas do Facebook e instagram com a #PraCegoVer (link da matéria) desde 2017.

Saiba mais sobre os projetos da Samsung clicando nos links abaixo:

(www.samsung.com.br/samsungconecta / www.samsung.com.br/audioacordes

www.samsung.com.br/samsungmais / www.samsung.com.br/samsungsocial)