Livros infantis do projeto Baú das Artes ganham audiodescrição

Baú das Artes é o nome do projeto que leva atividades lúdicas às crianças das escolas da Rede Pública. Existe uma variedade de propostas culturais, como leitura, teatro, danças, fantoches, pinturas e demais formas de arte combinadas à educação. O programa foi criado pela Editora Evoluir e é alinhado ao Programa Mais Educação, do Governo Federal.

A escola privilegiada recebe um acervo de materiais que podem ser utilizados em muitas brincadeiras e atividades. Os professores recebem auxílios, como workshops, para aproveitar o baú das mais criativas formas.

A novidade é que, desde julho, os livros presentes no Baú das Artes possuem recursos de audiodescrição. Leia mais sobre essa iniciativa desenvolvida pela Iguale Comunicação de Acessibilidade:

http://saci.org.br/index.php?modulo=akemi&parametro=41234

Anúncios

Rádio irá audiodescrever cerimônia de encerramento da Copa do Mundo

A Rádio Mundo Cegal transmitirá, com audiodescrição, a cerimônia de encerramento da Copa do Mundo 2014, no dia 13 de julho. A rádio anunciou que os ouvintes poderão fazer comentários e enviar perguntas durante a transmissão online, que serão respondidas pela equipe de voluntários. Para acompanhar, basta acessar mundocegal.com.br/radio.

O show de encerramento vai contar com a presença de diversos artistas, como a colombiana Shakira, o brasileiro Alexandre Pires, o guitarrista mexicano Carlos Santana e o rapper haitiano Wyclef Jean. A cerimônia está marcada para começar às 14h20, no Maracanã.

O serviço de audiodescrição também esteve disponível em quatro estádios durante a Copa, para que os torcedores com deficiência visual acompanhassem o jogo direto das arquibancadas. Antenas de rádio foram instaladas nos estádio de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília, permitindo que a audiodescrição fosse acessada por rádio portátil ou smartphone.

Diferente da narração tradicional feita em canais de TV, voltada para quem está acompanhando o jogo visualmente, a audiodescrição dos jogos é muito mais rica em detalhes e não apresenta juízo de valores.

Biblioteca Falada é destaque na TV Unesp

A TV Unesp exibiu, neste mês de junho, uma reportagem sobre o Biblioteca Falada, projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da UNESP, coordenado pela professora doutora Suely Maciel. O projeto realiza audiodescrições de produtos audiovisuais, como novelas e clipes musicais, além de locutar textos impressos, como livros e poemas.

A equipe de reportagem visitou o Lar Escola Santa Luzia para Cegos, em Bauru, onde os alunos fazem os pedidos dos materiais a serem produzidos pelos membros do Biblioteca Falada.

MATAV produz videoclipe sobre Ditadura Militar com recursos de audiodescrição Por Laiza Castanhari

O grupo de pesquisa “Mídia Acessível e Tradução Audiovisual” (MATAV) marcou presença na XVI Jornada Multidisciplinar 2014, evento realizado na UNESP Bauru. A partir do tema “O Brasil e o Golpe de 1964: Retrospectivas e Perspectivas”, a Jornada procurou gerar reflexões sobre os 50 anos do início da ditadura militar.  Entre os dias 20 e 22 de maio, ocorreram várias palestras, mesas temáticas, apresentações de trabalho e muito debate sobre a sociedade brasileira na época da ditadura.

Com enfoque nos portadores de deficiência visual, o MATAV exibiu um videoclipe com audiodescrição sobre os acontecimentos que marcaram o período entre o início da ditadura e as Diretas Já. A ideia do projeto é oferecer uma oportunidade para os deficientes visuais aprenderem mais sobre esse período tão marcante na história do Brasil e para os videntes conhecerem o recurso da audiodescrição.

Na apresentação do videoclipe, todos os participantes foram vendados: a proposta era que eles percebessem o vídeo somente com a audição, simulando uma situação de deficiência visual. Depois de alguns minutos, as vendas foram retiradas e os participantes puderam assistir o restante das imagens.

Guilherme, estudante do 1º ano de Rádio e TV, relata que achou interessante a experiência: “O som ganhou uma proporção muito maior. A música de fundo e as audiodescrições, por exemplo, ficaram bem vivas na minha mente. Eu não prestaria tanta atenção no que estava sendo dito se meus olhos não estivessem vendados”.

SAM_1498

A docente Lucinéa Marcelino Villela, coordenadora do projeto, iniciou a mesa temática explicando que o videoclipe apresenta duas vozes diferentes, uma característica comum da audiodescrição. Uma pessoa é responsável pela locução do roteiro histórico, enquanto outra é responsável pela audiodescrição das imagens.

A produção do vídeo foi um trabalho em equipe, feito pelos membros do MATAV. Após a sua exibição, cada membro do grupo concedeu uma apresentação sobre a etapa de criação da qual participou.

Carolina Molina, aluna do 2º ano de Rádio e TV, explicou o conceito de audiodescrição, um recurso criado para incluir os deficientes visuais nos meios de comunicação. “É a descrição de tudo o que é visual e não está presente em diálogos. O objetivo é que as pessoas que não enxergam possam desfrutar uma obra do mesmo modo que os que enxergam desfrutariam”, explica.  Além da audiodescrição de imagens, presente no videoclipe exibido, o recurso pode ser incluso em diversos outros meios, como filmes, obras de arte, teatro, paisagens, figurinos, ambientes etc. Carolina também ressaltou que a audiodescrição nunca pode ser colocada no mesmo tempo que os diálogos; ela tem que estar entre as pausas das informações sonoras para que a compreensão do ouvinte não seja prejudicada.

SAM_1491O roteiro e a locução de uma audiodescrição apresentam suas peculiaridades. Bruna Chaves, responsável por essas funções, explicou que a locução deve ser feita de forma calma, para o ouvinte assimilar o conteúdo descrito.“O locutor também tem a liberdade de mudar o roteiro, como trocar algumas palavras ou inverter termos. Por isso é importante que a imagem audiodescrita esteja presenta no roteiro”, pontua Bruna.

Giseli Berti, docente de língua inglesa e pesquisadora voluntária do MATAV, também participou da audiodescrição e disse que no processo não é recomendável apresentar juízos de valores.“Não é adequado dizer que a pessoa está triste ou feliz. Podemos falar apenas que ela deu um sorriso, mas não julgá-lo”, exemplifica.

No final das apresentações, os membros lembraram que o videoclipe não é um projeto terminado, mas que está em construção. A ideia é que o trabalho seja aprimorado com a consultoria de deficientes visuais e que, futuramente, seja exibido em outras apresentações e congressos.